Recuerdos de Caracas

Coleção particular daqueles momentos assim que a gente vira e diz 'Caracas!'.

Arquivo para fevereiro, 2009

Slumdog Millionaire, Novela 3 e o destino

Acabo de voltar do cinema. “Quem quer ser um Milionário” é um filme muito bom. Faz jus tanto aos 8 Oscars que ganhou ontem quanto aos R$ 18 que eu paguei. Uma vez que não sou mais estudante, nem trambiqueiro… =P

A história é incrível, envolve desde as primeiras cenas e me lembrou de muitos outros filmes, entre os quais minha memória RAM citaria agora: Viagem a Daarjeling, Magnolia, Matchpoint… aliás, achei esse um roteiro bem propício para uma direção Allen. Certamente o resultado seria mais lírico e mais debochado que a direção Boyle (que também não decepcionou em nada).

Saí de casa sem noção alguma do que travata o filme, nem que era indiano, fui pelas estatuetas e porque um amigo disse que era Five Star. Engraçado é que minutos antes, tava vendo a novela 3, digo novela das oito (novela 3 é coisa de mídia offline …rs) que basicamente também ocorre na Índia e tem lá o Marcio Garcia empatado de ficar com a Juliana Paz porque ele é um Intocável e ela não.

Não vou falar muito do filme devido a possibilidade de algum leitor não ter visto o filme, tampoco hablaré da novela da Glória Perez, pois essa eu não sei mesmo. Vi poucas cenas. Necessárias para saber que a conversa do Destino está sempre lá.

Wikipedia (…)  O destino é muito usado para tentar explicar o absurdo dos acontecimentos existênciais (na acepção, absurdo deve ser traduzido algo não-explicável no âmbito do conhecimento homo sapiens utilizando-se do método científico), assim também, como a responsabilidade dada as divindades para tais acontecimentos.

O sentimento que fiquei depois do filme, que me acompanhou passos afora pela Paulista do Center 3 até aqui em casa e motivou esse post, é que compramos essa realidade pronta do oriente, mas as vezes estamos presos em realidades tão perversas quanto essa aqui no nosso mundinho e nem percebemos?

– MAS COMO, ALESSANDRO, SEU MALUCO, PÁRA.

É verdade. Olha só: achamos “bonito” o amor dos personagens da novela, impossibilitado pelas castas indianas, shakespeare mode on, e até achamos bizarro o fato de uma pessoa ser prometida a um marido que nem conhece pelos pais. Achamos bizarro o fato dessas pessoas estarem irremediavel e assumidamente presas nesses destinos (tortos?).

Mas não olhamos pra nós mesmos, que vivemos uma (falsa?) sensação de liberdade enquanto estamos presos em nossos destinos (certos?)  por outros nós que não esses do amor, nós que outro filme bem elucidou nas suas primeiras linhas.

Sim estou falando de Trainspotting. Curiosamente também dirigido por Danny Boyle. [Não, não pensei isso de propósito.]

Escolha uma vida
Escolha um emprego
Escolha uma carreira, uma família
Escolha uma tv grande, máquina de lavar, carros, cd player, abridor de lata elétrico
Escolha saúde, colesterol baixo, seguro dentário.
Escolha prestações fixas para pagar.
Escolha uma casa, ter amigos
Escolha roupas e acessórios.
Escolha um terno feito do melhor tecido.
Se masturbar domingo de manhã pensando na vida. Sentar no sofá… e ficar vendo tv. Comer um monte de porcaria.
Escolha uma família e se envergonhar… dos filhos egoístas, que pos no mundo para substituí-lo.
Escolha um futuro.
Escolha uma vida.

Enfim, a única coisa que posso dizer é:  ME DEIXA, CALVINO. ME DEIXA QUE EU NÃO FIZ MACKENZIE. GRAÇAS A DEUS.

Sábado de Carnaval

Dia ótimo esse. Começou umas 11h quando acordei e decidi ir almoçar no Consulado Mineiro, na Benedito Calixto com a Camila e o Daniel. Amigos.

Almoço ótimo, feijoada especial. Depois um Bloco de Carnaval que estava passando ali bem na frente na hora que passamos. Como o Daniel não é de Sampa, fiz ele tirar foto com um dos foliões mais animados com o evento. Abaixo.

[Como a câmera era dele, ele não me deixou colocar essa foto, só porque o cara era praticamente o Gogo boy do bloco… então segue eu e a Camila mesmo… =P]

Da série Brastemps e Starbucks...

Depois ainda, fomos para o Starbucks da Santos. Clássico. É muito bom ter tempo para falar com amigos. Sempre. Mas nada de filosfia dessa vez. #pelamor

No fim da noite, pelas 9 e pouco tomei um Tazo Refresh gelado… um calorão que fazia aqui… decidimos ir pra Capão Bonito na terça-feira… êêê! _o/  Vamos levar alguns livros que a Mãe do Luciano levará para ele no Japão terça.

E por fim, pra completar a noite, quando cheguei em casa encontro o Brancatelli, o Funny e o Denis, transformando Rocks em pagodes… ainda peguei o ‘bumbo’ e tocamos juntos… TELEGRAMA do Zeca Baleiro.

http://sites.google.com/site/ald549/Home/telegramadecarnaval.mp3?attredirects=0

Manifesto das pessoas interessantes

Lembrei de uma propaganda da IBM. Gosto muito.

What makes you special?

Uma pergunta simples muitas vezes pode responder uma questão complexa. Quantas vezes as pessoas te perguntaram quanto interessante, você é ? E até pior, qual o seu SII, um indicador que inventei agora, Self Interestingness Indicator. Ponha-se na Bovespa.

Estava em casa já ponto para my PJ’s como diria a @clarissak, quando me ligaram para o clássico Chá Verde.  Starbucks aquela coisa… gosto dessa vida Friends. Ultimamente a temporada é basicamente “Em crise na crise”. Não que a gente ache que a crise vá mesmo desencadear tudo que se espera dela, principalmente aqui, mas a nossa crise interna dos 25 (a minha adiantada até, rs…) nos atormenta a pensar o que estamos fazendo das nossas vidas. Que história queremos contar, depois?

Somos felizes. Bem sucedidos. Ganhamos bem. Moramos numa cidade bacana. Mas isso é tudo? Não sei.

O @rodrigoaholic, pessoa que me chamou pro café hoje, mandou até um email pro nosso grande mestre, guru do marketing, e Morpheus casperiano, Paulo Ache, outro dia… afinal, ele que sempre tem respostas rápidas para questões longas (e muitas vezes perdidas), iria certamente dizer algo arrebatador.

Mas não. Ele disse que esse é um sentimento comum da “nossa turma” e disse pra falar com o Ale Lima, vulgo eu, @bchenque, entre outros… Achei engraçado… já é o segundo café que eu tomo com o @rodrigoaholic desde esse email e sua resposta sintomática.

Não tomei café, nem chá verde. Tomamos 2 chás, cada um um Tazo Refresh, e um outro lá… Foi bom porque conseguimos pensar e concluir que o fundo da questão é sempre ser uma pessoa interessante. Se fosse uma estratégia de marketing, seria esse um Objetivo Geral, acredito.

De alguma maneira desregrada e eloquente fomos lembrando das pessoas interessantes que conhecemos, suas histórias e mensagens… E essa foi a mensagem: Ser interessante é o que verdadeiramente importa. Ter impressões, não de banner, mas do mundo, compartilhar, viver.

O post está acabando e não consigo terminar de outra forma senão lembrando a frase que começa o filme Forrest Gump.

My mamma said that life is a box of chocolate. You’ll never know what you’ll get.

Se a frase for verdade, só espero que a minha caixa seja daquelas de quando eu era pequeno, Especialidades…

See you later, Innovator!

Não é fácil!

Alguém pode me dizer qual é o tempo da inovação ? Digo, depois que uma coisa foi feita, quanto tempo ainda pode-se dizer que ela é inovadora. Falo disso porque tenho sofrido um pouco principalmente no meu ambiente de trabalho.

Estamos aqui fazendo e acontecendo esse Mobile… Há tempos atrás não era integrado com o portal, não tinha um monte de coisa. Faz pouco mais de um mês que foi lançada  a nova versão, muito mais interativa mas as pessoas querem mais.

E mais. E mais. E mais. E mais…

A coisa tá tão louca que temos que ser pós-inovadores. Para poder acompanhar essas freneticidade desvairada. E isso me lembra aquela histórinha:

O tempo perguntou pro tempo quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu pro tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem.

Acho que vou por prazo de validade nas minhas inovações.

Projeto

É bastante engraçado como as coisas acontecem quando têm que acontecer.To aqui com alguns PPTs para fazer, coisas pra mandar, mas acho melhor escrever.

Sábado foi um dia interessante em que fui convidado a pensar nos stresses, nas angústias e nos projetos. No fundo, descobri que sempre pensei nisso, mas era apenas com uma outra roupagem:

– O que estarei pensando quando tiver 30 anos?
– O que estarei pensando quando tiver 40 anos?
– O que estarei pensando quando tiver 50 anos?

Mas como diria minha mãe, e ela sempre foi genial em me dizer isso, talvez eu que nunca tenha me ligado.

De pensar morreu um burro.

– ACTION!

Sindicato dos BuddyPokes

Ale Lima Buddypoked!

Ale Lima Buddypoked!

 

Teve um dia que não teve Poke. Não teve Buddy. Não teve nada. Ninguém sabia o que tinha acontecido, apenas que eles tinham-se ido. Pra onde? Na internet não tem Flautista de Hamelin pra levar todo mundo assim…

 

E foi um dia triste. Um dia sem abraços, sem dinossauros acarinhados, sem voltinhas de bicicleta e danças em tapetes. Sem graça. A situação foi ficando perplexa e virou manchete de jornal, de televisão, de portal, chegou ao mundo real. Santa Convergência.

 

Pare de chorar, menina. Isso aqui é só um Buddypoke desaparecido não é um dilúvio em Santa Catarina. Tenha paciência. Disse o presidente. Logo mais eles estão ai e você vai ficar contente. Mas que nada…

 

Dias passando. Divãs lotados. Ninguém deixava mais recado em texto pra ninguém. Abismal foi à audiência do Orkut nesse tempo. Nem mosca de lan house tava acessando mais. Nada…

 

E do lado de lá, pertinho de Zion, um pouco mais pra baixo. Uma festa que só vendo. Alegria. Alegria. Milhões de BuddyPokes caminhando contra o vento.

Iam todos felizes rumo a sua Meca.

 

Nem pareciam eles, estavam todos iguais, cansados das roupinhas infelizes, cantando o mantra do retorno. Uma cena bonita de ser ver, mas impossível de se gravar.

 

Todo mundo ali sentado naquela noite e-terna. Um círculo com meio aberto. Quase em frente a uma caverna, tinha ate a Pokiana arte rupestre. Naquele minuto, foi dali que saiu o grande mestre.

 

BUDDYPOKES DE TODO O MUNDO, UNI-VOS. SEJAM PERSEVERANTES. PODE PARECER POUCO, MAS NOSSA MISSAO E SUBLIME. VAMOS CADA DIA MAIS ESTAR DISPOSTOS NESSA COISA QUE E A INTERNET, UMA VITRINE. ESSA E A UNICA FORMA QUE CONSEGUIMOS ENTRAR NO MUNDO HUMANO. FAZENDO ELES NOS COMPRAREM COMO BICHINHOS DE COMPUTADOR. MAS NUNCA SE ESQUECAM DAQUILO QUE PARA NOS TEM MAIS VALOR. NOSSA CAPACIDADE DE DESPENDER O AMOR. DESSAS PESSOAS FRIAS, CHATAS, MAGOADAS COM A REALIDADE INSUPORTAVEL DO MUNDO REAL. CONTINUEM, BUDDYPOKES, TORNANDO O MUNDO DOS HOMENS MENOS SACAL E MAIS INTERATIVO. QUANDO TODOS ENTENDEREM NOSSA MENSAGEM, NOSSO TRABALHO JA NAO VAI SER NECESSARIO. E DE UMA COISA PODEM TER CERTEZA, CADA UM VAI ENCONTRAR A FELICIDADE TODOS OS DIAS, E NAO APENAS NO SEU ANIVERSARIO.

ObaManifestos

Peça pelo número. =P